/SARAUZINHO/LONDRIX 15 ANOS

Featured

LONDRIX 15 ANOS/SARAUZINHO, 12 de março de 2019, 10 e 16 horas
Contar histórias é a mais antiga das artes. Em tempos remotos o povo se reunia ao redor do fogo para se esquentar, alegrar e narrar acontecimentos. Contavam e repetiam histórias, para guardar suas tradições e sua língua. Assim transmitiam a história e o conhecimento acumulado pelas gerações, as crenças, os mitos, os costumes e os valores a serem resguardados pela comunidade.
O Festival Literário de Londrina entende o ato de contar uma história como uma atividade lúdica que amplia a imaginação e ajuda a criança a organizar sua fala, através da coerência e da realidade. O ver, sentir e ouvir são as primeiras disposições na memória das pessoas. Contar histórias é uma experiência de interação, utilizando mais o ato da fala do que a de recursos cênicos, resgatamos a tradição da oralidade.
Nesta apresentação contaremos com a atriz Edna Santos que traz sua personagem “Nega do Leite” e em seguida, entra em cena o Palhaço Mequetrefe.
O projeto foi idealizado por Christine Vianna, diretora do Londrix, e acontece desde 2012. São atendidas anualmente cerca de 800 crianças. É um projeto dirigido às Escolas Municipais de Londrina, mas também aberto ao público em geral. A entrada é franca. Foi idealizado com objetivo de divulgação literária e formação de público leitor. No universo lúdico dos personagens, as crianças são convidadas a participar de reflexões, a tecer o desfecho da narrativa e se envolver no mundo maravilhosa da literatura.
O Londrix completa 15 anos e conta com o patrocínio do Promic.
Apoio: Cultural
Parceria: UEL/Museu Histórico/Vila Cultural Cemitério de Automóveis

Serviço:
Quando? 12/03/2019
Horário? 10 e 16 horas
Onde? Na Vila Cultural Cemitério de Automóveis – Av. Arthur Thomas, 342
Entrada Franca

 

47036327_2243437889001664_1989006200955469824_o(1)
Reservas com o produtor Sérgio Melo (12)996803453

https://londrixliterario.wixsite.com/festivalliterario

INFORMES 2019 VILA CULTURAL CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS

Featured

Algumas informações para produções de eventos ou entenda como funcionamos
*Contato com Mário ou Christine – vilacemiterio@bol.com.br

  • Para produções de shows, discotecagem, taxa mínima de limpeza: R$150,00 (cento e cinquenta reais). Não trabalhamos com locação de espaço. Não visamos lucro, mas também não visamos prejuízo. Esta é a taxa mínima para que o espaço esteja organizado antes e após cada evento.
  • a bilheteria é da produção do evento. A VCCA não tem participação alguma no lucro do evento.
  • para ensaios e apresentações teatrais  a contribuição é voluntária e será combinada de acordo com cada produção.
  • toda verba que captamos através de venda de livros, feijoadas, bar cultural e outras é para manutenção do espaço. Entende-se por manutenção do espaço desde pagamento de limpeza, compra de material de higiene e limpeza, locação de equipamentos para o Sarau, compra de lanche paras crianças que atendemos com o Sarauzinho, entre outros). Um espaço cultural é uma casa gigantesca e precisa ser mantida, precisa estar limpa …
  • Não pagamos cachê para os artistas no Sarau pois a entrada é franca. É uma ação de fortalecimento do espaço e uma contrapartida ao nosso mantenedor. Um evento corroborativo onde comunidade e artistas celebram a criação, o encontro, a vida sobre um outro prisma.

Nosso horário de funcionamento administrativo é das 13h30 às 17h30 de segunda a sexta.

Um pouco mais sobre o espaço:

A Vila Cultural Cemitério de Automóveis, fundada em 2007 por Christine Vianna,  fomenta a literatura,  a música, o teatro, a  fotografia e o vídeo. A partir de 2010 começou a ser administrada pela ONG AARPA- Atrito Arte Artistas e Produtores Associados. A VCCA promove eventos e oficinas com diversidade de linguagens artísticas, conta com espaço para teatro, sala para exposições, oficinas, biblioteca, bar cultural. O nome da Vila é uma homenagem ao Grupo homônimo de Tetro, criado por Mário Bortolotto, em 1982. Mário, por sua vez reverenciou Lawrence Ferlinghetti ao batizar o Grupo. Ferlinghetti tem um poema  “Obbligato do Bicho Louco” que fala sobre “Cemitério de Automóveis”

A Vila Cultural Cemitério de Automóveis conta com o patrocínio da Prefeitura do Município de Londrina, através do PROMIC. Através desse importante incentivo, pagamos água, luz, locação do espaço, enfim… mantemos a parte física. Os eventos (shows, cursos, apresentações, exposições… não recebem verba do Promic). As logomarcas básicas utilizadas em todo material de divulgação são: do Promic pois é nosso patrocinador maior, a do AARPA  que é a Ong que nos administra foi concebida  por Marco Tavares e a nossa foi criada em 2007 pela Visualitá. De janeiro a agosto de 2017 tivemos corte de convênio, nós e todos os projetos do Promic. A situação dos espaços culturais somente se regularizou em agosto de 2018. Foram os meses mais difíceis de nossa história. Tivemos ajuda de muitos amigos e o público compareceu nos eventos que produzimos, mas os custos para manutenção de um espaço são muito altos e amargamos gastos de 25.000,00 (quatro mil levantados com ajuda da comunidade, mas 21.000,00 fizemos empréstimos). Os atrasos nos aluguéis, mais o desejo do proprietário de reformar e dividir o imóvel para aumentar o aluguel foi  válvula para que ele nos pedisse o imóvel. Conseguimos permanecer até a mudança que se deu em 05 de março de 2018. Em dezembro fizemos a festa de despedida para levantarmos recursos para pagamento da mudança.  Em janeiro e fevereiro permanecemos com atendimento interno. O Sarau: prosa,  poesia e outras delícias será feito em abril e maio, nesses meses, portanto, teremos para a alegria de todos, dois saraus.
A Vila Cultural Cemitério de Automóveis também é a casa do Londrix-Festival Literário de Londrina. Visite o site https://londrixliterario.wixsite.com/festivalliterario

Contato:
Av. Arthur Thomas, 342 – desde março de 2018
atritoart@gmail.com

Um pouco mais sobre a Vila Cultural Cemitério de Automóveis nas palavras de Jack Kerouac
VILA CULTURAL CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS
“Aqui estão os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os pinos redondos nos buracos quadrados. Aqueles que veem as coisas de forma diferente. Eles não curtem regras. E não respeitam o status quo. Você pode citá-los, discordar deles, glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Empurram a raça humana para a frente. E, enquanto alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam.”

Jack Kerouac

Venha conversar conosco e tirar suas dúvidas.

Att,

Christine Vianna
Diretora

Mário Fragoso
Produtor

TERÇA MALDITA – 11 maio – 20 horas

Vila Cultural Cemitério de Automóveis apresenta TERÇA MALDITA

Nos idos de 1884 Verlaine, publica “Les Poètes Maudits”, trazendo seu amigo Rimbaud e Corbière e Mallarmé. O termo maldito também pode ser aplicado em autores do fim do século XIX que passaram pelo mesmo processo de rejeição como William Blake e Baudelaire. Henry Miller, Ginsberg, Kerouac, Burroughs e Ferlinghetti, Bukowski , Fante carregaram também o adjetivo, são considerados pelos críticos literários como transgressores, escritores que romperam a se rebelaram contra as tradições e costumes da época em que iniciaram seus trabalhos. O maldito é o contrário do que se chama de sublime na crítica literária. Por exemplo, Victor Hugo foi o sublime de sua época, enquanto Baudelaire foi o maldito, sendo arrastado num processo no tribunal de Sena por conta de sua principal obra “Flores do Mal” que ofendeu a moral pública. No Brasil, Nelson Rodrigues, Leminski, Torquato, Ana Cristina César, entre outros, emprestam seus nomes para a designação…

A ideia surge para rememorar os Saraus da Vila Cultural Cemitério de Automóveis, porém com uma temática fixa, a dos escritores malditos, sendo convidados, jornalistas, músicos, cineastas, fotógrafos, escritores, atores, artistas plásticos e almas sensíveis das mais diversas áreas.  A ação será realizada quinzenalmente. Cada convidado abre sua câmera e tem o tempo de uma a quinze minutos para sua apresentação que é transmitida pela sua página do facebook.

Carlos Fofaun Fortes, lê Claudio Willer, “Depoimento de 1945” – 20 horas

Marina Stuchi, lê “Ercilia Nogueira Costa”; Virgindade Inútil e Anti-Higiênica – 20h15,

Yan Maran, lê (ainda não informado) – 20h30

Fabio Pagotto, lê Mirisola, “Quanto Custa um Elefante”, 20h45

Edra Moraes, lê Gregório de Matos, sem título “…A cada canto um grande conselheiro, Que nos quer governar cabana…”. 21h

Chris Vianna, lê Charles Baudelaire, “Embriagai-vos”, 21h15

Sobre os convidados:
Carlos Fofaun é cineasta, produtor, produtor cultural.

Chris Vianna é atriz, produtora cultural, professora, editora, vocalista da Banda Benditos Energúmenos.

Edra Moraes é produtora cultural, especialista em marketing e escritora.

Fabio Pagotto é jornalista e músico, baixista da Banda Saco de Ratos Blues.

Marina Stuchi é atriz, cineasta, produtora.

Yan Maran é cineasta.

Realização: AARPA, Vila Cultural Cemitério de Automóveis
Contato: chris vianna (43) 9 9941-7414

SERVIÇO:

11 DE MAIO DE 2021

INÍCIO, 20 HORAS

CADA CONVIDADO EM SUA PÁGINA DO FACE.

TOCA UMA PRA MIM

TOCA UMA PRA MIM

Vila  Cultural Cemitério de Automóveis apresenta TOCA UMA PRA MIM com o músico Marcus Farrapo. Um sopro de alívio, um unguento para dias tão sangrentos. 07 de maio, 20 horas no

Exibicão: youtube.com/channel/UCbLSrPLS2VOpbJERlhTGytQ.

Ingressos 5 reais sympla.com.br/toca-uma-pra-mim__1204435

A Vila Cultural Cemitério de Automóveis, fundada em 2007 por Chris Vianna,  fomenta a literatura,  a música, o teatro, a  fotografia e o vídeo. A partir de 2010 começou a ser administrada pela ONG AARPA – Atrito Arte Artistas e Produtores Associados. O nome da Vila é uma homenagem ao Grupo homônimo de Teatro, criado por Mário Bortolotto, em 1982. Mário, por sua vez reverenciou Lawrence Ferlinghetti ao batizar o Grupo. Ferlinghetti tem um poema  “Obligato do Bicho Louco” que fala sobre “Cemitério de Automóveis”

A Vila Cultural Cemitério de Automóveis contou com o patrocínio da Prefeitura do Município de Londrina, através do PROMIC até agosto de 2020 quando encerrou as atividades no espaço físico da Av. Arthur Thomas nesse mesmo mês e devido à Pandemia mantém atendimento on line, tendo criado o projeto “Quase Sarau”, o “Concurso de Poesia”, é parceiro do Londrix, realizou Assaltos Literários e agora entendo sempre ter sido a casa não só da literatura, mas também dos músicos, lança TOCA UMA PRA MIM em parceria com O Estúdio Vaca Records, Estúdio Meyer, ControVento Produções e 3. O projeto consiste em produzir desde a gravação, até assessoria, divulgação e venda dos ingressos que serão revertidos para os músicos que como a grande maioria dos artistas se encontra fora dos palcos e precisando de recursos para enfrentar esses dias pandêmicos.

SOBRE O ESTÚDIO VACA RECORDS

O estúdio Vaca Records surgiu com a proposta de vincular a arte com a natureza, possibilitando aos artistas além de uma qualidade sonora única, um breve contato com o meio ambiente. Acreditamos na arte e temos a consciência de que o artista em um determinado ambiente pode aflorar ainda mais a criatividade. Seguimos determinados em contribuir com a arte local dando suporte e acreditando cada vez mais nos artistas

SOBRE  ESTÚDIO MEYER

Um estúdio de produção, gravação, mixagem e masterização situado na cidade de Londrina-PR.
Tem como proposta possibilitar com qualidade e máximo empenho a realização de singles, Ep’s e discos de artistas, promovendo acessibilidade à cultura através dos diversos estilos musicais.

SOBRE 3

Estabelecer uma relação de individualidade estratégica e criativa para conseguir a excelência em serviços para seus clientes. Esse é o trabalho da 3, agência de publicidade que atua em Comunicação Total, Identidade Corporativa, Produção Editorial, Marketing Digital, Gerenciamento de Conteúdo e Desenvolvimento web.

SOBRE CONTROVENTO PRODUÇÕES

Criada em 2020 por Chris Vianna, Carlos Fofaun e Yan Maran com o intuito de divulgar talentos do Paraná, gravando em vídeo e CD suas composições. Presta toda assessoria de lançamento.

SOBRE O MÚSICO MARCUS FARRAPO  – SOLO: Cantor e compositor de maledicências e corações partidos, concebido e nascido em algum hospital da cidade de Arapongas, Paraná. Começou sua trajetória musical participando do coral da igreja. Foi músico de ocasião em bares e eventos festivos. Em 2010, fundou a banda autoral, o Orifício dos Deuses.

Em 2013, gravou Há Alguém de Negro, pelo Estúdio Madi. Em 2016, Me Finjo de Morto e Acendo um Cigarro, pelo Estúdio Voxx Em 2017, produziu o documentário Orifciaria e Outros Insultos, sobre a trajetória da banda Orifício dos Deuses. Em 2019, gravou 3302 e Ave Chupeta Brasil, pelo Estúdio Toca do Leão. Atualmente, está em estúdio gravando um álbum de poesias eróticas musicalizadas, chamado Pornografia Cantada.

SERVIÇO:   vila cultural cemitério de automóveis apresenta toca uma pra mim 07 de maio de 2021, 20 horas show com marcus farrapo transmissão pelo: https://www.youtube.com/channel/ucblsrpls2vopbjerlhtgytq.   ingressos: 5 reais
como adquirir:  sympla.com.br/toca-uma-pra-mim__1204435
obs. bilheteria revertida para os músicos     contato: (43) 9 9941-7414 (chris vianna)   contato com o músico:  (43) 9661-7018 (marcus farrapo)   produçao: chris vianna e edra moraes direção: carlos fofaun e yan maran ilustração: marcelo galvan projeto gráfico: rodolfo ribeiro
gravado: vaca records
    Exibicão: youtube.com/channel/UCbLSrPLS2VOpbJERlhTGytQ. Ingressos: 5 reais sympla.com.br/toca-uma-pra-mim__1204435  

LITERATURA NO CEMITÉRIO (Análise de livros Vestibular UEL)

VILA CULTURAL CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS

Apresenta

LITERATURA NO CEMITÉRIO (Análise de livros Vestibular UEL)

Márcia Batista – Clara dos Anjos- Lima Barreto

Eduardo Bacarin – Gregório de Matos

Chris Vianna – Amor de perdição – Camilo Castelo Branco

O projeto “Literatura no Cemitério” da Vila Cultural Cemitério de Automóveis consiste na realização de palestras para discutir as obras literárias cobradas pelo vestibular da Universidade Estadual de Londrina (UEL). 
O projeto é gratuito e aberto a toda comunidade.

O projeto busca propiciar, aos vestibulandos e público geral, palestras sobre as obras solicitadas no vestibular da UEL
O acesso é gratuito pelo you tube da Vila Cultural Cemitério de Automóveis

Eduardo Bacarin

Mestre em Letras (Estudos Literários) pela UEL; Especialista em Língua Portuguesa pela UEL.

Poeta, Escritor, dramaturgo.

Tem 3 livros de poesia publicados e dois romances e um livro de poesias no prelo.

Escreveu , atuou e dirigiu várias peças de teatro, em Londrina.

É professor de Redação, Literatura e Lingua Portuguesa há 27 anos, tendo ministrado aulas nos Colégios: São Paulo, Londrinense, Adventista, Canadá, Nossa Senhora de Lourdes, Gabriel Martins, Pinheiros (atual Dominos) em Londrina; Dom Bosco, em Cascavel; Nossa Senhora Auxilidora, em Cambé; Werner Schimidt em Bela Vista do Paraíso; Positivo, em Arapoti; Alfa (Cornélio Procópio) 

Deu aula nos cursos pré-vestibulares Dom Bosco (Cascavel e Londrina) Alfa (Cornélio Procópio); Esquema, São Paulo, Londrinense, Adventista (Londrina); Positivo (Arapoti). É professor da Neocentrarte – Cursos, Assessoria e Aulas Particulares, onde dá cursos online e assessoria educacional.

Em 2020, recebeu o Prêmio Outras Palavras,  categoria romance com o recém-lançado “Apenas três palavras”

Marcia Batista de Oliveira

Possui mestrado em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (2006), duas especializações: especialização em Literatura Infantil e contação de histórias pela Faculdade de Ampere – (FAMPER) Santa Catarina (2017) e especialização em Literatura Brasileira pela Universidade Estadual de Londrina (1998). Atua como professora de português na Rede Estadual de Ensino e também nos projetos literários do Sistema de Bibliotecas Públicas do Município de Londrina.

Chris Vianna

Professora, atriz (Proteu e Cemitério de Automóveis). “Medusa de Rayban”, “Postcards de Atacama”, “É crua a vida!”, “Um Bourbon para Faulkner” são algumas das peças que traz sua assinatura como produtora. Idealizou e dirige a “Vila Cultural Cemitério de Automóveis. Editora da Atrito Arte com 154 títulos publicados. Vocalista da banda “Benditos Energúmenos”. Idealizadora e organizadora do Festival Literário de Londrina. Em 2015, recebeu o Prêmio Nacional “Todos por um Brasil de Leitores” e em 2020, o Prêmio Trajetória/Literatura.

Londrix on line – 09 de março/2021

TERÇA (09.03)
19 horas
“Um dedo de prosa” com Augusto Silva, Felipe Pauluk e Leandro Benevides.
Os autores falam sobre temas pertinentes à literatura na formação de alunos do Ensino Médio. Os bate papos pretendem ajudar a romper com a imagem da literatura como algo fechado e etéreo, criando um ambiente propício para discutir a questão da linguagem e do ser humano nesse novo milênio. Mostramos que a literatura é uma experiência muito mais próxima e acessível do que pode parecer.
Mediação: Mário Fragoso
19h45
Herman Schmitz aborda “A ficção científica no ensino de Ciências”.
O escritor Herman Schmitz discorre sobre como utilizar a literatura de ficção científica como ferramenta pedagógica no ensino de Física, Biologia, Cibernética e Ciências Sociais.
———————————————————–
CONTEÚDO LITERÁRIO NAS ESCOLAS
PROMETE BOM DEBATE NESTA TERÇA (9)

Programação do segundo dia do Festival Literário de Londrina terá também conferência sobre literatura de ficção científica

O escritor Augusto Silva é enfático: nos tempos atuais, o estímulo à leitura em salas de aula não pode prescindir das tecnologias multimídia. “A escola tem que ser atrativa, despertar nos alunos o prazer de gostar de literatura”, afirma o consagrado autor de Umuarama (PR).
Para ele, o estímulo à literatura pode acontecer também através das HQs, filmes ou mesmo em letras de músicas, inclusive as lúdicas. “Não se trata de uma luta inglória. Temos que trabalhar com os meios que dispomos”, afirma.
Augusto Silva integra a programação do segundo dia do Festival Literário de Londrina, o 16º Londrix. Nesta terça (9), às 19 horas. Ele participa de “Um Dedo de Prosa”, juntamente com os escritores londrinenses Felipe Pauluk e Leandro Benevides. O tema desta edição é “Literatura e Educação”.
Com mediação do jornalista Mario Fragoso, o trio vai abordar temas pertinentes à literatura na formação de alunos do Ensino Médio. Às 19h45, o escritor e mestre Herman Schmitz discorre sobre como utilizar a literatura de ficção científica como ferramenta pedagógica no ensino de Física, Biologia, Cibernética e Ciências Sociais.

• Realização: Atrito Arte Artistas e Produtores Associados (AARPA), com patrocínio da Prefeitura Municipal de Londrina, via Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), da Secretaria Municipal de Cultura. O evento tem parceria com a Universidade Estadual de Londrina, Museu Histórico de Londrina, Atrito Arte Editora e Reverbera: Educação como Caminho para o Desenvolvimento Sustentável. Apoio Cultural: Cultural Londrina – Inglês e Espanhol.
• Em função da pandemia do Coronavírus, a programação do evento será disponibilizada através dos seguintes links:: https://www.youtube.com/channel/UCbLSrPLS2VOpbJERlhTGytQ e https://www.facebook.com/festivalliterario.londrix

Festival Literário de Londrina – Londrix

PROGRAMAÇÃO 16º FESTIVAL LITERÁRIO DE LONDRINA – LONDRIX

  • Em função da pandemia do novo coronavírus, a interação entre público e convidados será on-line. Mesas redondas, conferências e debates poderão ser acessados gratuitamente através dos canais oficiais do Londrix 2021.

SEGUNDA (08.03)

18h30

Abertura Oficial com Bernardo Pellegrini (músico, compositor, Secretário de Cultura e Chris Vianna (diretora do Londrix, vocalista da Banda Benditos Energúmenos, atriz, professora)

19 Horas

Ale Santos: “Páginas brancas, apagamentos negros: vozes e silêncios na literatura brasileira”.

O premiado escritor e designer de gamificação, Ale Santos, discute processos de invisibilidades literárias da população negra, histórias de resistência praticamente desconhecidas do grande público, afrofuturismo e sua própria trajetória como autor negro no mercado editorial brasileiro.

20 Horas

Exibição do Documentário inédito “Como cheguei até aqui”, direção Celina Becker. Fruto da peça homônima de Marina Stuchi. O filme mostra os bastidores, inspirações e depoimentos relacionados à violência contra mulher.

QUARANTINE SURF SESSIONS

QUARANTINE SURF SESSIONS

Nunca precisamos tanto da arte como nesse momento caótico que o mundo passa. Os artistas, sem trabalho, confinados com toda sua graça, precisaram dar vazão à sua criação e foram surgindo nas ondas da web, leituras, lives, e uma série de criações artísticas produzidas e executadas no caos, na solidão e com todos os conflitos pessoais que a sensibilidade presenteia os artistas. Quando Dick Dale, pelos idos de 60, lança  o hit Let’s Go Trippin, imediatamente alcança grande sucesso, também nadou nesse mesmo mar, Surfin dos Beach Boys…Talvez, Dale, o  pai do surf, não imaginasse

que seus efeitos reverb surfariam por tantas distâncias e por tanto tempo.

De lá para cá muitas bandas partiram para a pipeline e verdadeiros tsumanis embalam e embalaram o cenário musical, inclusive brasileiro.

E uma onda tem atingido o ar e a maré está bem alta. Seja lá qual for o motivo, sua temática, os reverbs,  a beleza do encontro de músicos de vários locais e tendências,  a **subversão dos arranjos originais… A questão é que a pegada Surf está no ar com o projeto Quarantine Surf Sessions”. Duda Victor, leia-se Fahrenheit 451, Búfalos D´agua, Dirty fuse, Terremotor, entre outras, criou as Quarantine Surf Sessions juntamente com a Natbee_kind e Juliano da banda paulista Os Brutus. Depois de algumas ondas, Duda assume o projeto, uma resposta artística e conceitual para a “quarentena”. A produção envolve músicos de vários locais que fazem vídeos individualmente, em suas casas e eles são editados por Duda. O primeiro lançamento foi em 04 de abril de 2020,  com   Surf Beat (Dick Dale) Cover.
O projeto, inicialmente realizado entre amigos, segue agregando nomes de vários lugares.  Duda, ainda faz o convite, mas atualmente muitos músicos entram em contato para participarem das Surf Sessions. Depois que recebe os vídeos, ele faz um mix do áudio pra ter o aval dos músicos participantes e concomitantemente vai sincronizando o vídeo, começando os cortes e ajustes necessários. E essa foi uma novidade para ele, conta que costumava demorar, principalmente nos cortes e sincronismo, mas depois que criou um padrão a realização dessa etapa é mais tranquila. A frequência de lançamento é semanal. De abril para cá foram 17 (dezessete) vídeos produzidos.

Um pouco mais sobre:
Duda Victor toca desde os idos 1985, ano da formação de sua primeira banda, já com músicas autorais. O guitarrista conta que as primeiras notas, o amigo  Marcos Galvan mostrou, depois foi brincando, tirando sons e principalmente tocando em bandas. Toca uma fender telecaster, que adquiriu quando morava na Grécia, e também usa um instrumento grego chamado “Tzouras”, com 6 cordas, que na verdade são 3 dobradas. Além de guitarrista, é compositor e produtor musical. Currículo completo em anexo.

 

Próximo lançamento Quarantine Surf Sessions, 31 de julho de 2020,
19 horas, no youtube da  Banda Terremotor, 18º vídeo:

18 – HORNET’S NEST – LOS STRAITJACKETS

31 de julho de 2020

Matheus Moro – bateria (MONGO/Movie Star Trash)

Ricardo Teixeira – baixo (Surf Aliens, Epidemya e Sauaia Trio)

Alexandre Saldanha – guitarra (Spitfire Demons, Reverendo Frankennstein)

Leonardo de Knegt – guitarra (Del Tombs / Reverb All Stars)/

Edição de áudio – Ricardo Teixeira

Edição de vídeo – Duda Victor

 

Contatos:
dudasurfrock@gmail.com

44- 984055930

 

Assessoria de imprensa:

Christine Vianna: (43) 9 9941-7414

 

 

 

QUARENTINE SURF SESSIONS:

*lançamentos de todos vídeos no da Banda Terremotor

 

01 –  SURF BEAT (DICK DALE) COVER
04 DE ABRIL DE 2020, 19 HORAS
BATERIA – LUCAS RICARDO (BÚFALOS D`ÁGUA)
BAIXO – JOELTON LUSTOSA (KINGARGOOLAS)
SAX – MANOLIS KISAMITAKIS (DIRTY FUSE)
GUITARRA – JULIANO (OS BRUTUS)
GUITARRA – DUDA VICTOR (TERREMOTOR)
EDIÇÃO DE ÁUDIO: DUDA VICTOR

 

02 – PENETRATION (THE PYRAMIDS) COVER
12 DE ABRIL DE 2020, 19 HORAS
EDIÇÃO DE VÍDEO: JULIANO PELETEIRO – KICK_A_VERB. 04/2020.
BATERIA – ELVIS MOREIRA (THE PULLTONES)
BAIXO – DIOGO MORAES (SHARK & OS TUBARÕES)
GUITARRA – SAULIO (SANGUE DE ANDROIDE)
GUITARRA – JULIANO (OS BRUTUS)
EDIÇÃO DE ÁUDIO E DE VÍDEO: JULIANO PELETEIRO – KICK_A_VERB.
04/2020.

 

03 – PIPELINE (THE CHANTAYS) COVER
18 DE ABRIL DE 2020
BATERIA – KEITH AOU (DIRTY FUSE)
BAIXO – ISIS KAROLINA (WOOD SURFERS)
GUITARRA E TZOURAS – DUDA VICTOR (TERREMOTOR)
GUITARRA – JULIANO (OS BRUTUS)
EDIÇÃO DE ÁUDIO: DUDA VICTOR
EDIÇÃO DE VÍDEO: JULIANO PELETEIRO – KICK_A_VERB. 04/2020.

 

 

04 – APACHE (THE SHADOWS) COVER.
26 DE ABRIL DE 2020, 19 HORAS
BATERIA – DIGO AMAZONAS (ARARAS NEGRAS)
BAIXO – CLAUDIO VILLA (SANGUE DE ANDROIDE)
GUITARRA ALEXANDRE KANASHIRO (GASOLINES)
GUITARRA – JULIANO (OS BRUTUS)
EDIÇÃO DE ÁUDIO: PAULO ZAMPIERI
EDIÇÃO DE VÍDEO: JULIANO PELETEIRO – KICK_A_VERB. 04/2020.

 

 

05 – WALK DON’T RUN (THE VENTURES) COVER
01 DE MAIO DE 2020, 19 HORAS
PAULO TROPA – BATERIA (TERREMOTOR)
NETÃO LOMBADA – BAIXO (THE MULLET MONSTER MAFIA)
ERI KAPETANAKI – GUITARRA (DIRTY FUSE)
DUDA VICTOR – GUITARRA (TERREMOTOR)
EDIÇÃO DE AUDIO: DUDA VICTOR
EDIÇÃO DE VIDEO: JULIANO PELETEIRO

06 – MISIRLOU (TRADICIONAL GREEK MUSIC) COVER
08 DE MAIO DE 2020, 19 HORAS
CHRISTIAN TARGA – GUITARRA (SURF ALIENS)
CELSO COSTA – BATERIA (KINGARGOOLAS)
JOSÉ DUARTE – BAIXO (TERREMOTOR) /
DUDA VICTOR – TZOURAS/TERREMOTOR)
EDIÇAO – DUDA VICTOR

 

 

07 – BOMBORA (THE ORIGINAL SURFARIS)

15 DE MAIO DE 2020, 19 HORAS
JOHNNY CRASH – GUITARRA (THE DEAD ROCKS)
NERI ORLEONE RECZ – BATERIA (THE MULLET MONSTER MAFIA)
LEOPOLDO FURTADO DE CASTRO – BAIXO (REVERB BRASIL RECORDS)
DUDA VICTOR – GUITARRA (TERREMOTOR)
EDIÇÃO – DUDA VICTOR

 

 

08 – MR MOTO (THE BELAIRS) COVER
22 DE MAIO DE 2020, 19 HORAS

MÁRIO ROLIM – BATERIA (SURF ALIENS, O PREÇO)

DÉIA MARINHO – BAIXO (TIME BOMB GIRLS)

RODS AMADEU – GUITARRA (THE FLYING RATS, THE CHERRY BOMB) ALEXANDRE SALDANHA – GUITARRA (SPITFIRE DEMONS, REVERENDO FRANKENSTEIN)

EDIÇÃO – DUDA VICTOR

09 – KINDA DREAM – THEE SURFING’ BOMB

29 DE MAIO DE 2020, 19 HORAS
LUCAS RICARDO – BATERIA

HUMBERTO SCABURI – GUITARRA

RODS AMADIO – BAIXO

DUDA VICTOR – GUITARRA

EDIÇÃO: DUDA VICTOR

 

10 – BITE THE HAND THAT FEEDS PT 2 – AGENT ORANGE (COVER)
05  DE JUNHO DE 2020, 19 HORAS

ED “TIKINHO” LOPES – GUITARRA (MULLET MONSTER MAFIA)

VINICIUS NOGUEIRA – GUITARRA (THE ALMIGHTY DEVILDOGS)

JOAQUIM DANTAS – BATERIA (JUBARTE ATACA)

JOSÉ DUARTE – BAIXO (TERREMOTOR)

EDIÇÃO DE ÁUDIO – VINICIUS NOGUEIRA

EDIÇÃO DE VÍDEO – DUDA VICTOR

11 –  THE CHALENGERS – K39 (COVER)
12 DE JUNHO DE 2020, 19 HORAS
DUDA VICTOR – GUITARRA (TERREMOTOR)
IVAN RODRIGUES – BATERIA (MAGAIVERS ,CHINELADA, MORDIDA, GRIPE FORTE, PREACHERS)
GABBA – BAIXO (HARY & THE COMPASSES)
WASHINGTON SANTOS – TECLADO (HITCHCOCKS)
NICOLAS SALAZAR – SAX (CENTRAL SISTEMA DE SOM, LAMALAIKA, TIRIVA INSTRUMENTAL, ESTRELA LEMINSKI, MEDB (MORPHINE COVER)
EDIÇÃO DE ÁUDIO – DUDA VICTOR E NICOLAS SALAZAR
EDIÇÃO DE VÍDEO – DUDA VICTOR

12 – GIANT – THE ATLANTICS (cover)

19 DE JUNHO DE 2020, 19 HORAS

CLAUDÃO PILHA – BATERIA (OS PILHAS, OS MELDAS, ESTRUME’N’TAL, DEAD PIXELS, BAD HUMANS NOISE, O MELDA)

RICARDO “MUTANT COX” HUCZOK – CONTRABAIXO (HILLBILLY RAWHIDE, SICK SICK SINNERS, OS CATALÉPTICOS, B.O.D.E., AZT, DOUBLE TROUBLE, MUTANT COX E EDUARDO RIBEIRO, MUTANT COX (SOLO))

KOSTAS BK – GUITARRA (ZAK AND THE KRAKENS)

DUDA VICTOR – GUITARRA (TERREMOTOR)

EDIÇÃO – DUDA VICTOR

13 –  T E Q U I L A – THE CHAMPS (COVER)
26 DE JUNHO DE 2020, 19 HORAS

CAMILA LACERDA – BATERIA – TIME BOMB GIRLSVOODOO BROTHERS
CAVALEIRO NISHIDA – BAIXO – (OS CAVALEIROS TEMPORÁRIOS)
SIR ZÉ (MARCOS JOSÉ VALLE)– BONGÔ – (OS CALAVEIROS TEMPORÁRIOS)
LUIS RUIDO – GUITARRA (LOS RUIDO GARAGE SURF)
PAULO TROPA – CONGAS (TERREMOTOR)
ERI KAPETANAKI – CAJON (DIRTY FUSE)
DUDA VICTOR – GUITARRA (TERREMOTOR)

Amigos curtindo nas palmas: José DuartePatricia SacramentoLeonardo AlbuquerqueLuiz Alan CostaNathalia BiancardineAlexandre Saldanha, Déia Marinho, Sayuri YamamotoJuliano Vasques,
Também participaram: Christine Vianna e Celso Costa

EDIÇÃO – DUDA VICTOR

 

14 – MALAGUEÑA – ERNESTO LECUONA (COVER)

03 DE JULHO DE 2020, 19 HORAS

BILLY MONSTER – BATERIA (MANIÁTICOS DO REVERB)
MARCELO GALVAN – BAIXO (BÚFALOS D’ÁGUA)
MARCUS LUIZ – GUITARRA (INTÓXICOS)
ELISE SAVI – TROMPETE (BRIAN OBLIVION & SEUS RAIOS CATÓDICOS)
DANIEL TODESCHI – GUITARRA (THESURFMOTHERFUCKERS)
EDIÇÃO – DUDA VICTOR

 

15 – SURF PARTY – THE ASTRONAUTS
10 DE JULHO DE 2020, 19 HORAS

WILLIAN TIKI DRUMMER – BATERIA
SYS MALAKIAN – GUITARRA
BOI – BAIXO
DUDA VICTOR – GUITARRA
EDIÇÃO – DUDA VICTOR

 

 16 –  O MILIONÁRIO – OS INCRÍVEIS
17 DE JULHO DE 2020, 19 HORAS
LEONARDO DE KNEGT – GUITARRA (DEL TOMBS / REVERB ALL STARS)
PIXIXO – BAIXO (REVERB ALL STARS / VOSTOK DELUXE)
SIR DUMA NI – BATERIA (OS CAVALEIROS TEMPORÁRIOS)
DUDA VICTOR – GUITARRA (TERREMOTOR)
NICOLAS SALAZAR – SAX (CENTRAL SISTEMA DE SOM, LAMALAIKA, TIRIVA INSTRUMENTAL, ESTRELA LEMINSKI, MEDB (MORPHINE COVER)
EDIÇÃO – DUDA VICTOR

 

17  – BATMAN THEME
24 DE JULHO DE 2020, 19 HORAS
NOAH DRUMRIGHT- GUITARRA (TOTAL DEATH MECHANICS)
ZÉ IVAN – GUITARRA (BATGAS)
STEVE BOURQUE – BATERIA (BATGAS)
MACKEY PACHECO – THEREMIN (KINGARGOOLAS)
VINICIUS PATRIAL – BAIXO (VERMES DO LIMBO)
EDIÇÃO – DUDA VICTOR

 

18 – HORNET’S NEST – LOS STRAITJACKETS
31 DE JULHO DE 2020,
19 HORAS, YOUTUBE DA BANDA TERREMOTOR
MATHEUS MORO – BATERIA (MONGO/MOVIE STAR TRASH)
RICARDO TEIXEIRA – BAIXO (SURF ALIENS, EPIDEMYA E SAUAIA TRIO)
ALEXANDRE SALDANHA – GUITARRA (SPITFIRE DEMONS, REVERENDO FRANKENNSTEIN)
LEONARDO DE KNEGT – GUITARRA (DEL TOMBS / REVERB ALL STARS)
EDIÇÃO DE AUDIO – RICARDO TEIXEIRA
EDIÇÃO DE VÍDEO – DUDA VICTOR

 

post 31 julho quarantine

Quarantine Surf Sessions

post 17 de julhoQUARANTINE SURF SESSIONS

Nunca precisamos tanto da arte como nesse momento caótico que o mundo passa. Os artistas, sem trabalho, confinados com toda sua graça, precisaram dar vazão à sua criação e foram surgindo nas ondas da web, leituras, lives, e uma série de criações artísticas produzidas e executadas no caos, na solidão e com todos os conflitos pessoais que a sensibilidade presenteia os artistas. Quando Dick Dale, pelos idos de 60, lança  o hit Let’s Go Trippin, imediatamente alcança grande sucesso, também nadou nesse mesmo mar, Surfin dos Beach Boys…Talvez, Dale, o  pai do surf, não imaginasse

que seus efeitos reverb surfariam por tantas distâncias e por tanto tempo.

De lá para cá muitas bandas partiram para a pipeline e verdadeiros tsumanis embalam e embalaram o cenário musical, inclusive brasileiro.

E uma onda tem atingido o ar e a maré está bem alta. Seja lá qual for o motivo, sua temática, os reverbs,  a beleza do encontro de músicos de vários locais e tendências,  a **subversão dos arranjos originais… A questão é que a pegada Surf está no ar com o projeto Quarantine Surf Sessions”. Duda Victor, leia-se Fahrenheit 451, Búfalos D´agua, Dirty fuse, Terremotor, entre outras, criou as Quarantine Surf Sessions juntamente com a Natbee_kind e Juliano da banda paulista Os Brutus. Depois de algumas ondas, Duda assume o projeto, uma resposta artística e conceitual para a “quarentena”. A produção envolve músicos de vários locais que fazem vídeos individualmente, em suas casas e eles são editados por Duda. O primeiro lançamento foi em 04 de abril de 2020,  com   Surf Beat (Dick Dale) Cover.
O projeto, inicialmente realizado entre amigos, seguiu agregando nomes de vários lugares.  Duda, ainda faz o convite, mas atualmente muitos músicos entram em contato para participarem das Surf Sessions. Depois que recebe os vídeos, ele faz  um mix do áudio pra ter o aval dos músicos participantes e concomitantemente vai sincronizando o vídeo, começando os cortes e ajustes necessários. E essa foi uma novidade para ele, conta que costumava demorar, principalmente nos cortes e sincronismo, mas depois que criou um padrão a realização dessa etapa é mais tranquila. A frequência de lançamento é semanal . De abril para cá foram 15 (quinze) vídeos produzidos.

Um pouco mais sobre:
Duda Victor toca desde os idos 1985, ano da formação de sua primeira banda, já com músicas autorais. O guitarrista conta que as primeiras notas, o amigo  Marcos Galvan mostrou, depois disso foi brincando, tirando sons e principalmente tocando em bandas. Toca uma fender telecaster, que adquiriu quando morava na Grécia, e também usa um instrumento grego chamado “Tzouras”, com 6 cordas, que na verdade são 3 dobradas. Além de guitarrista, é compositor e produtor musical. Currículo completo em anexo.

 

Próximo lançamento Quarantine Surf Sessions, 17 de julho de 2020,
19 horas, no youtube do Terremotor, 16º vídeo:

16 º lançamento – O Milionário – Os Incríveis

17 de julho de 2020

Leonardo de Knegt – guitarra (Del Tombs / Reverb All Stars)

Pixixo – baixo (Reverb All Stars / Vostok Deluxe)

Sir Duma Ni – bateria (Os Cavaleiros Temporários)

Duda Victor – guitarra (Terremotor)

Nicolas Salazar – Sax (Central Sistema de Som, Lamalaika, Tiriva Instrumental, Estrela Leminski, Medb (Morphine cover)

Contatos:
dudasurfrock@gmail.com

44- 984055930

Assessoria de imprensa:

Christine Vianna: (43) 9 9941-7414

 

Playlist: